Conet e Intersindical trazem panorama do TRC

08/08/2017
Imagem indisponível

A NTC&Logística e a ANTT realizaram uma pesquisa conjunta para mapear o setor de transporte rodoviário de carga (TRC). Entre 117.360 transportadores cadastrados na agência, 2.290 responderam ao questionário, sendo que 27,2% eram do estado de São Paulo.

Os dados não são animadores. Quanto ao desempenho das empresas no 1º semestre deste ano, 62% dizem estar pior em relação ao 2º semestre de 2016. Outros 15%, igual; e 23% registraram melhora. Quando o assunto é faturamento, 70,5% tiveram queda; 17,1% ficaram estáveis e 12,4% apresentaram crescimento.

A pesquisa completa foi apresentada pelo engenheiro Lauro Valdívia, da NTC, durante o CONET/Intersindical, realizado nos últimos dias 3 e 4, no Rio de Janeiro. O presidente do Sindisan, Roberto Varella, participou da programação. “O que vimos foi o transportador cada vez mais sufocado por leis, por não conseguir aplicar reajuste, pela violência, enfim, só com um trabalho forte, como o que estamos fazendo conjuntamente, poderemos mudar o quadro”.

Para Valdívia, é necessário uma ação de valorização do TRC. “O transportador está trabalhando com prejuízo e não consegue reajustar o frete para não perder o cliente. Inaceitável”, ressaltou.

De acordo com o engenheiro, o setor vem sofrendo com o aumento de custos, como combustível, despesas administrativas, manutenção da frota, salários, entre outros. “Além disso, o volume de carga caiu com a crise e o roubo de carga aumentou muito, especialmente no Rio de Janeiro”. Por este motivo, as viagens para este estado passaram a contar com a Taxa Emergencial Excepcional (Emex). “95,5% das empresas não cobram a Emex e 80,8% desconhecem. É bem complicado”, alertou.

Lideranças do TRC de todo o País, entre federações, associações e sindicatos, participaram da programação. Temas como Reforma Trabalhista, Documentos Eletrônicos, Tagueamento do RNTRC, Marco Regulatório do TRC e Roubo de Cargas foram debatidos exaustivamente pelos presentes.

O Marco Regulatório gerou bastante polêmica e, por entenderem que o prazo dado pelo Governo para considerações foi muito curto, os presentes assinaram um documento coletivo pedindo um adiamento da data para envio de substitutivos, que será remetido pela NTC.

No jornal A Tribuna desta terça-feira, você confere a coluna Sindisan Informa, com o texto acima:

http://sindisan.com.br/ckfinder/userfiles/files/41ATribuna080817.pdf