Líder deve ser exemplo

09/05/2018
Imagem indisponível

Treinamento “Comunicação para Lideranças” levou representantes

de empresas associadas à reflexão sobre a função

Por mais desnecessário que possa parecer, princípios básicos como orientar o funcionário a dar bom dia, dizer obrigado, com licença, entre outras regrinhas básicas, fazem parte da função do líder.

Esta e muitas outras dicas e avaliações sobre o papel da liderança foram abordadas na manhã desta quarta-feira, no Sindisan, pelo consultor Roberto Martins, da RH Martins Consultores Associados.

“O líder deve ser espelho. Estamos vivendo em um mundo onde as informações novas chegam todos os dias, e o gestor deve estar atualizado sobre sua equipe. Tem que ter controle de tudo, ou não serve para líder”, afirmou Martins.

De acordo com o especialista, as pessoas que estão em cargos de gestão, como gerentes, supervisores e diretores, precisam ter a percepção dos outros, estando atentos a questões como postura, educação, princípios, estado emocional, cultura e experiência, por exemplo.

Na avaliação de Martins, o líder deve motivar a equipe diariamente. “O funcionário vai no seu cliente e não tem postura adequada. É o líder que vai responder. E ele deve observar ainda que há pessoas que não querem que as coisas andem, que querem prejudicar a empresa”, alertou.

Redes sociais – um outro ponto abordado durante o treinamento foi o mundo digital. Segundo o palestrante, atualmente, 99% dos problemas que acontecem nas empresas são levados para o âmbito pessoal. “A primeira coisa que a pessoa faz é bloquear a outra no Facebook e fazer um texto desabafando na rede social. Até grupos de whatsapp são criados para falar do que acontece na empresa. É muito complicado”.

A forma de falar com seus liderados também foi destacada. “Nada de se dirigir ao empregado em primeira pessoa. Evite: eu quero isso! Até mesmo para elogiar, não seja egocêntrico”.

Reconhecendo as dificuldades – com anos de experiência em consultoria, Martins afirma que muitos empresários se dizem cansados de falar com os funcionários e não serem atendidos. “A melhor coisa é reconhecer o problema e passar a função. Sair gritando ou destratando os funcionários só traz processos na justiça. E mais: contrato de experiência já diz no nome, é experiência. Não deu certo? Dispense e evite futuros problemas”.

Finalizando, o palestrante deu uma dica importante aos presentes: “Elogie seu funcionário em público, mas critique seus erros isoladamente, sem que ninguém veja”.

Uma dinâmica de grupo avaliando o papel do líder foi realizada com os presentes e gerou um debate bastante produtivo. Fonte: Sindisan.