Porto se prepara para navios de 366 metros

10/07/2018

Empresas e prestadores de serviço se adequam para receber nova classe de cargueiros

O Porto de Santos está apto a receber embarcações de 366 metros. Para a Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), a estatal que administra o cais santista, com a atual infraestrutura do canal de navegação, é possível trafegar com navios da classe New Panamax, que são capazes de transportar 14 mil TEU (unidade equivalente a um contêiner de 20 pés). Entretanto, terminais e a Praticagem de São Paulo apontam a necessidade da realização diversas obras estruturais. 
Os avanços da indústria naval, o crescimento das demandas do comércio exterior e o aprimoramento da logística, com foco para a economia de escala no transporte de cargas, são alguns dos fatores que fazem com que o Porto tenha de estar preparado para a nova realidade da navegação mundial. 
Hoje, o cais santista já recebe cargueiros com até 336 metros de comprimento, 48 metros de boca (largura) e capacidade para transporte de 9 mil TEU. Em maio, veio pela primeira vez ao Porto de Santos o maior navio em comprimento a escalar no complexo, o Hyundai Loyalty, que tem 340 metros de proa (frente) a popa (trás). 
Se, por um lado, os navios cresceram em tamanho e, consequentemente, podem transportar um maior volume de cargas, por outro, os complexos portuários precisam se preparar para receber esses cargueiros. Neste contexto, os acessos terrestres e aquaviários merecem atenção especial para que seja garantido o acesso das mercadorias ao Porto. 
Questionada, a Autoridade Portuária informou que o Porto de Santos contratou estudos técnicos para se preparar para esta nova realidade. E foram esses trabalhos que mostraram a viabilidade do acesso dessas embarcações ao cais santista.
“Os estudos demonstram que as dimensões atuais são aceitáveis para a navegação desses navios. No modelo atual não há necessidade de aumentar a largura do canal, mantendo-se as dimensões atuais”, destacou a Docas, em nota. 
Entre esses estudos – que a Autoridade Portuária não comentou ao ser procurada – está um desenvolvido pela Universidade de São Paulo (USP), que trata sobre obras para a otimização morfológica, náutica e logística do canal de acesso do Porto de Santos. O trabalho foi desenvolvido por técnicos do Centro de Gestão em Estudos Navais e do Tanque de Provas Numérico da instituição.
Os pesquisadores utilizaram simulações matemáticas considerando um navio porta-contêiner com 366 metros de comprimento e 52 metros de boca, com capacidade para 14 mil TEU. Foram levados em conta o cenário atual, com profundidade de 15 metros, e um cenário futuro, com profundidade de 17 metros, viável para navios de até 15 mil TEU. 

Requisitos

Para que os navios com 366 metros possam trafegar pelo canal de navegação do Porto, questões primordiais deverão ser observadas. A visibilidade deverá estar acima de uma milha náutica (1,8 quilômetro) e a maré, no estofo (período em que não há variação). Os ventos terão de estar abaixo de 15 nós (27 km/h) e ondas abaixo de 1,5 metro.
Quanto aos rebocadores, a USP aponta que será necessário utilizar quatro embarcações, com sistemas centro proa e centro popa com capacidade de tração de 70 toneladas e soma total dos empuxos de 270 toneladas de tração. 
Também foi apontada a necessidade de um novo projeto de amarração de cargueiros no cais santista. Sobre esta questão, a Docas limitou-se a dizer que “a Autoridade Marítima requereu estudos complementares que estão sendo desenvolvidos pelos terminais do Porto”. Fonte: A Tribuna